Sua Página
04/12/2023 às 17h36min - Atualizada em 04/12/2023 às 17h36min

IoT em 2024: novas tendências apontam para uma revolução conectada

Yasmin Galdino - Mondoni Press
Imagem de rawpixel.com no Freepik

No cenário atual de Internet das coisas (IoT), surge a necessidade de explorar as tendências emergentes para os próximos anos, como a crescente harmonia entre inteligência artificial e IoT, além da projeção de soluções que priorizam a sustentabilidade. Para 2024, as tendências desse setor apontam para uma revolução ainda maior na interação entre o mundo digital e o físico, bem como o crescimento do número de dispositivos conectados é um indicativo dessa transformação. De acordo com dados do IoT Analytics, a previsão é que, até 2027, existam em média 29 bilhões de dispositivos conectados.

Sob essa perspectiva, Paulo Spaccaquerche, presidente da Associação Brasileira de Internet das Coisas (ABINC), destaca elementos como a ascensão do 5G, a atenção redobrada à segurança, a convergência com a inteligência artificial e a preocupação crescente com a sustentabilidade, e ainda afirma que a IoT continuará a moldar o futuro digital de maneiras impactantes. 

Para 2024, espera-se um foco crescente em soluções IoT que contribuam para práticas sustentáveis, como a eficiência energética, o monitoramento ambiental e a redução do desperdício de recursos. Além disso, a expectativa é de que os dispositivos IoT incorporem recursos de eficiência energética, reciclagem de materiais e monitoramento ambiental, aponta Paulo. 

O presidente da ABINC prevê que a parceria entre a inteligência artificial e IoT ganhará ainda mais forças no próximo ano, possibilitando tomadas de decisões mais eficientes e abrindo novas possibilidades em áreas como análise de dados e automação, resultando em uma otimização das operações.

A inteligência artificial será empregada de maneira avançada para analisar interações, identificar conexões e desenvolver insights subjacentes. Esta tecnologia pode ser crucial na previsão da demanda por serviços, como hospitais, capacitando autoridades para tomar decisões mais informadas sobre a alocação de recursos. Além disso, será utilizada para detectar mudanças nos padrões de comportamento do cliente, analisando dados quase em tempo real. Com isso, novas oportunidades de emprego surgirão em áreas como desenvolvimento, programação, testes, suporte e manutenção.

Everton Arantes, fundador e CEO da Prime Control, argumenta que o crescente uso da inteligência artificial, independente da área, traz um completo debate ético. “A capacidade das máquinas de aprender e tomar decisões por si mesmas, embora empolgante, também levanta algumas questões. Como garantir que os algoritmos tomem decisões justas e imparciais? Como equilibrar a automação com a manutenção de empregos e a privacidade dos dados? Essas são questões que nos desafiam a encontrar um equilíbrio delicado entre o potencial da IA e a responsabilidade ética”, questiona.

Em 2023, a Inteligência artificial generativa (IA), um tipo de IA que pôde criar conteúdos e ideias, tomou o conhecimento do público e ganhou popularidade no cenário tecnológico. Já em 2024, antecipa-se que essa tecnologia se estenda ainda mais com uma variedade crescente de aplicações cotidianas e revolucionando diversos setores. Com uma ampla gama de aplicações, a IA generativa promete oferecer oportunidades para moldar a forma de interação e criação de conteúdo na era digital, onde será possível se aprofundar no desenvolvimento de modelos generativos avançados, extrair insights de dados e muito mais.

Ao exemplificar o impacto de IoT, o presidente da ABINC menciona o setor de agronegócio, onde já é possível encontrar todos os equipamentos conectados, proporcionando uma abordagem mais inteligente e eficiente para a produção de alimentos. “Dentro do agronegócio, várias aplicações da IoT estão sendo inovadoras e mudando todo o cenário do setor”, complementa.

No entanto, para David de Paulo Pereira, distinguished analyst da TGT ISG, o setor de agronegócio permanece como um mercado a ser atendido pelos fornecedores de IoT.  Isso se deve ao fato de que a tecnologia pode auxiliar na irrigação de precisão ao permitir que os agricultores monitorem as condições da lavoura remotamente e administrem melhor os recursos naturais, diz o analista.

Outra tecnologia que manterá sua importância até o próximo ano é o edge computing, focado no processamento de dados em proximidade à fonte. Essa estratégia reduz a latência, alivia a carga nas redes e permite respostas mais rápidas aos dados gerados pelos dispositivos IoT. À medida que mais aplicativos são desativados e analisados em tempo real, a integração entre edge computing e IoT se torna mais profunda e sofisticada.

A automação robótica de processos (RPA) também surge como uma tecnologia promissora para os próximos anos, à medida que automatiza diversas funções. Ela refere-se à utilização de software para simplificar uma variedade de processos empresariais, abrangendo desde a interpretação de aplicativos e o processamento de transações até o tratamento de dados e até mesmo a resposta a e-mails, com objetivo de automatizar tarefas repetitivas realizadas manualmente.

Já o Blockchain, inicialmente reconhecido por sua aplicação em criptomoedas, é uma tecnologia que cria registros digitais distribuídos, imutáveis e seguros. A convergência entre Blockchain e IoT vai elevar a conectividade para novos patamares, onde segurança e confiança são prioridades. À medida que os mercados percebem o potencial da combinação, antecipamos uma revolução na maneira como os dados são gerados, compartilhados e aplicados.

Posteriormente, essa combinação pode oferecer cada vez mais uma camada adicional de segurança, protegendo os dados gerados e transmitidos pelos dispositivos IoT, contratos inteligentes, que são programas independentes baseados em Blockchain e podem ser usados para automatizar processos e garantir que as condições sejam cumpridas antes que um pagamento ou uma ação seja realizada e, além disso, a tecnologia Blockchain pode eliminar intermediários, custos reduzidos e aumentar a eficiência em transações financeiras e de dados.

No mais, essas tendências não refletem apenas avanços tecnológicos, mas também indicam mudanças significativas nas expectativas e demandas dos consumidores e das indústrias. De acordo com relatórios do Gartner, haverá um aumento de 8% nos investimentos mundiais com TI, em 2024, com gastos chegando a US$ 5,1 trilhões. Portanto, é um momento crucial para as empresas se prepararem e se adaptarem às mudanças do setor. 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://thesouth.com.br/.