Sua Página
20/12/2023 às 20h25min - Atualizada em 20/12/2023 às 20h25min

2023: o ano em que a Captura e o Armazenamento de Carbono (CCS) ganhou repercussão mundial e se tornou uma das grandes soluções para a descarbonização

O CCS está no texto final da COP28 e já há diversas iniciativas no Brasil e no mundo para impulsionar o uso da tecnologia

Renan Araujo - Tree Comunicação
Evento Conexão CCS sobre o mercado de carbno promovido em outubro de 2023
O ano de 2023 foi histórico para o setor de Captura e Armazenamento de Carbono (CCS) visto como uma das soluções para a descarbonização e para a redução da emissão de gases do efeito-estufa. O CCS está incluído no texto final da COP28, que recomenda o uso da tecnologia especialmente em setores em que o corte das emissões é mais difícil, e o Brasil também passou a integrar o Carbon Management Challenge, iniciativa global para estimular o setor de CCS. Houve ainda avanços em relação a projetos no mundo, à regulação no Brasil e a importantes números e estatísticas relacionadas ao setor. O tema deve seguir em alta para o ano que vem e deve pautar encontros de grandes líderes globais.
 

“Em um momento crítico em que o planeta precisa cortar emissões, o CCS passou a estar cada vez mais presente na pauta de grandes debates sobre soluções climáticas. Isso é extremamente valioso porque precisamos pensar em múltiplas soluções para frear o aquecimento global. É preciso pensar no avanço do CCS como meio de descarbonização especialmente para setores que não conseguem cortar emissões facilmente, além de ajudar a equilibrar a demanda por energia e as metas de redução de emissões, ao mesmo tempo em que oferece um caminho para uma transição gradual para fontes de energia renováveis e limpas”, afirmam Isabela Morbach e Nathalia Weber, cofundadoras da CCS Brasil, associação que visa estimular as atividades ligadas à Captura e Armazenamento de Carbono (CCS) no país.

Confira abaixo alguns dos principais avanços ao longo do ano de 2023 no Brasil e no mundo:

Regulação: Houve a aprovação do PL nº 1.425/2022 que estabelece um marco regulatório para as atividades de captura e armazenamento de carbono, nas Comissões de Infraestrutura e de Meio Ambiente do Senado, além de ter sido aprovado na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. Agora será votada na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS). “A regulação é essencial para que diversos projetos saiam do papel e para que outros investimentos no setor aconteçam”, explicam as especialistas. Além disso, o Governo Federal também lançou o Projeto de Lei Combustível do Futuro (Projeto de Lei 4516/23) com designação da ANP como órgão regulador para a atividade de captura e estocagem de dióxido de carbono. O projeto foi incluído na Agenda Verde da Câmara dos Deputados.

Projetos: As especialistas da CCS Brasil afirmam que há mais de 40 projetos de CCS em operação no mundo. Segundo elas, nos três últimos anos há um recordo no anúncio recorde de novos projetos: pelo menos 260. Entre alguns dos projetos no Brasil estão o da Repsol Sinotec, que visa criar uma unidade de captura de até cinco mil toneladas de CO2 anuais; o projeto DAC SI, também da Repsol, em parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e a startup DACMa para a captura direta de 300 toneladas de CO2 do ar por ano; um projeto da FS Energia, produtora de etanol, que visa lançar uma unidade de captura com um investimento de US$ 65 milhões; e um projeto de pesquisa e desenvolvimento para aperfeiçoar os sistemas de captura de CO2 em termelétricas a gás natural.

Anúncios da Petrobras: A Petrobras anunciou em fevereiro o recorde em CCUS (Captura, Uso e Armazenamento de Carbono) em 2022 com uma marca de 10,6 milhões de toneladas de CO2 reinjetadas (cerca de 25% do total de CO2 injetado pela indústria global no ano passado). Até agora, foram reinjetados 40,8 milhões tCO2 nos reservatórios do pré-sal desde 2008. Em maio, a Petrobras anunciou que estuda implantar no Brasil um hub de captura e armazenamento de carbono no terminal de Cabiúnas, em Macaé (RJ), com capacidade de captura de 100 mil toneladas por ano de carbono.

Dados e estatísticas sobre o mercado: Um estudo inédito da CCS Brasil aponta que o país possui um potencial de captura de CO2 que pode chegar a quase 200 milhões de toneladas por ano, o que representa um total cerca de 12% do total de emissões de carbono no Brasil anualmente. Isso pode corresponder a receitas de pelo menos US$14 bilhões por ano, considerando o valor de US$70 por tonelada de CO2 como preço do crédito de carbono.

Eventos, cursos e congressos: o CCS também fez parte de discussões de grandes eventos do setor ambiental, além de eventos específicos sobre o assunto como o evento “The Rise of Carbon Capture & Storage in Brazil”, do Global CCS Institute, a Offshore Technology Conference, o Hydrogen Exposition South America & CCS Tech Summit e a COP28. A CCS Brasil participou de quatro painéis na COP28 (“Impulsionando o Desafio da Gestão de Carbono”, promovido pelo GDA Connect, Green Zone Energy Transition Hub, Sustainability Entrance; “High Climate Ambition and Carbon Capture”, promovido pela Clean Air Task Force; “Scaling up CCS In Emerging Economies”, organizado pelo Global CCS Institute; e “Potencial Brasileiro em Remoção de Carbono”, no Pavilhão Brasileiro). Ao longo do ano também foram realizados encontros com o Departamento de Energia dos Estados Unidos e outras autoridades internacionais, foi realizado o envio de uma carta aberta a líderes governamentais dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, um evento próprio sobre o Mercado de Carbono e um Curso de Introdução ao CCS, além de participações em diversos eventos relacionados a CCS, mercado de carbono, energias renováveis e meio ambiente.

Perspectivas para 2024

As cofundadoras da CCS Brasil também possuem perspectivas de que a Captura e o Armazenamento de Carbono continuarão a ser pauta das discussões sobre o meio ambiente e sustentabilidade ao longo de 2024 e deverão estar presentes em grandes encontros de líderes mundiais como os encontros da cúpula de G20 no país em 2024, a reunião do Clean Energy Ministerial, na cidade de Foz do Iguaçu, além de ser o ano preparatório para a COP30, que acontecerá em Belém, no Pará, em 2025.

Além disso, elas destacam que a regulação sobre a Captura e o Armazenamento de Carbono deverá ser aprovada no Congresso Nacional e colocada em vigor em 2024, o que deverá reforçar o papel do CCS e ampliar o número de projetos no setor.

Sobre a CCS Brasil

A CCS Brasil é associação que visa estimular as atividades ligadas à Captura e Armazenamento de Carbono no país, um processo que visa trazer um impacto sustentável positivo para a sociedade e que reúne diversas tecnologias para a captura do CO2, transporte e armazenamento permanente do gás carbônico em formações rochosas com profundidades acima de 800 metros. A CCS Brasil busca promover a cooperação entre todos os entes que podem participar dessa cadeia produtiva e que incluem empresas financiadoras, indústrias, governo, universidades e a sociedade, visando o desenvolvimento desse mercado.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://thesouth.com.br/.