Sua Página
21/12/2023 às 17h20min - Atualizada em 25/12/2023 às 21h27min

Aditivo favorece reciclagem de asfalto e aumenta resistência e sustentabilidade da pavimentação

Aditivo para betume inovador combina desempenho e sustentabilidade do asfalto: temperatura reduzida e alto teor de asfalto reciclado resultam em emissões significativamente mais baixas de betume e de CO2 em comparação com aplicações padrão

Lígia Cerdeira
https://saisinorganicos.basf.com/
BASF Divulgação
Verão, férias escolares, muitas famílias partindo em viagem e com atenção redobrada devido ao estado de conservação das estradas.

E as superfícies das estradas estão sujeitas a tensões cada vez maiores causados tanto pelo crescente tráfego de cargas pesadas como pelas condições de temperatura mais extremas devido às mudanças climáticas. Nesse ponto, os aditivos para betume desempenham um papel decisivo na durabilidade do asfalto, pois atuam para melhorar as suas propriedades.

Ao mesmo tempo, a saúde e segurança dos trabalhadores, a proteção ambiental e a redução das emissões de CO2 são de grande importância para as diretrizes de construção de estradas. Para atender a estas e outras necessidades a BASF desenvolveu o aditivo de betume, B2Last® que melhora a durabilidade das estradas e reduz a pegada de carbono durante a construção, inclusive favorecendo a reciclagem de asfalto.

“Como agente ligante, o betume representa apenas uma pequena porcentagem da mistura asfáltica, mas determina a maior parte das suas propriedades” explica Sergio Alves da Silva Junior responsável pelo negócio de B2Last da BASF para a América do Sul”. “Todas as estradas reabilitadas com essa inovação estão em excelentes condições técnicas: são vários quilômetros de estradas nos Estados Unidos, Alemanha, Rússia e Ucrânia, por exemplo, que estão sendo monitorados com ótimos resultados,  não apenas na fabricação e instalação, mas também durante os testes de desempenho”, afirma.

O aditivo B2Last® é um sistema reativo baseado em isocianatos que reticula os componentes individuais do betume para criar uma rede polimérica. Isto melhora as propriedades elásticas do betume, proporcionando à estrada maior durabilidade e melhor resistência à fissuração, tanto em altas como em baixas temperaturas. 

Também há um impacto positivo das emissões de CO2 porque as estradas precisam ser pavimentadas com menos frequência e é necessária menos energia durante a produção e a pavimentação. Além disso, o uso do B2Last® permite que uma proporção maior de asfalto reciclado seja adicionada, o que reduz a quantidade total de energia, recursos e emissões de CO2 que estariam associadas à produção de nova mistura asfáltica.

Como o aditivo é um líquido, não há sólidos para moer ou derreter, também é preciso menos energia, o que apoia as especificações da Associação Americana de Oficiais de Transporte Estadual e Rodoviário (AASHTO).

O aditivo favorece a pavimentação em menor temperatura e, por isso, garante uma redução de 65% nas emissões de betume durante a construção de estradas, ao mesmo tempo em que aumenta a resistência do asfalto, prolongando assim a sua vida útil. As medições no canteiro de obras mostram uma diminuição significativa nos níveis de emissão formação de vapores e aerossóis de betume, se comparado ao processo tradicional, contribuindo de forma importante para a redução das cargas poluentes às quais os trabalhadores estão expostos.
A BASF conseguiu confirmar essas propriedades em extensos testes realizados com parceiros acadêmicos. 

Uma avaliação que está sendo realizada no trecho rodoviário em Waldfischbach, Alemanha, por exemplo, já passou por três anos de temperaturas extremas nos verões e invernos, e a superfície permanece intacta, sem diferenças significativas observadas ao longo de todo o trecho da estrada. Ao completar 5 anos, a equipe vai reportar os resultados para obter a aprovação e certificação dos organismos locais.

Uma nova rodada de testes de pavimentação asfáltica com o aditivo B2Last® em condições extremas está sendo realizada na pista do Centro Nacional de Tecnologia de Asfalto (NCAT) em Opelika, Alabama (EUA). Os resultados, que serão anunciados em 2024, fazem parte da iniciativa da BASF para avaliar o sucesso do aditivo para betume em condições reais. A equipe de testes do NCAT realizará ciclos com tráfego pesado de caminhões por dois a três anos coletando dados: extensômetros são embutidos no pavimento e placas de carga são embutidas na base e na parte inferior do pavimento.

Estes medidores estão fazendo leituras desde 2021 e os perfis completos de desempenho desta seção de teste estarão disponíveis em 2024.

 

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://thesouth.com.br/.