Sua Página
05/03/2024 às 11h08min - Atualizada em 05/03/2024 às 11h08min

Preços da indústria caem 0,31% em janeiro, terceira queda consecutiva

Agência de Notícias IBGE
O setor de refino de petróleo e biocombustíveis (-4,77%) foi o que teve variação mais intensa e maior influência (-0,51 p.p.) no IPP de janeiro - Foto: André Motta de Souza/Petrobras

Pela terceira vez consecutiva, os preços da indústria nacional registraram queda, com redução de 0,31% em janeiro de 2024 frente a dezembro de 2023. O Índice de Preços ao Produtor (IPP), assim, acumula retração de 5,56% em 12 meses. Em janeiro de 2023, a taxa foi de 0,29%.

Em janeiro de 2024, oito das 24 atividades industriais pesquisadas apresentaram variações negativas de preço quando comparadas ao mês anterior, acompanhando a variação do índice na indústria geral. Em dezembro do ano passado, 12 atividades haviam apresentado menores preços médios em relação ao mês anterior. Os dados foram divulgados hoje (5) pelo IBGE.

“Esta sequência de resultados negativos do IPP vem após uma série de três meses seguidos de altas, entre agosto e outubro do ano passado. Apesar do índice de -0,31% em janeiro, não há uma queda disseminada por toda a indústria, pois 15 setores tiveram aumento de preços. Já a redução acumulada de 5,56% nos últimos 12 meses representa o 11º resultado negativo consecutivo nesse indicador, algo inédito”, explica Murilo Alvim, analista do IPP.

De novembro a janeiro, o IPP acumulou uma queda de 0,85%, menor que alta de 2,91% acumulada entre agosto e outubro. Assim, nos últimos seis meses, o resultado acumulado ficou em 2,03%.

As atividades industriais responsáveis pelas maiores influências no resultado de janeiro foram refino de petróleo e biocombustíveis (-0,51 p.p.), indústrias extrativas (0,23 p.p.), alimentos (-0,18 p.p.) e metalurgia (0,07 p.p.).

O setor de refino de petróleo e biocombustíveis (-4,77%) mostrou variação negativa pelo segundo mês seguido. Em dezembro do ano passado, havia registrado -4,03%. O acumulado em 12 meses ficou em -18,26%, completando uma série de 11 resultados negativos. “Esse desempenho de refino acontece depois de quatro altas consecutivas. Os preços do óleo diesel, produto com maior peso na atividade, foram os principais responsáveis, já que estão em trajetória de queda nas refinarias desde dezembro de 2023. O álcool também não está com grande demanda, além de contar com uma boa safra da cana-de-açúcar, influenciando no resultado”, acrescenta Murilo.

 

Preços ao produtor - Variação mês/mês anterior (%)

Clique e arraste para zoom

Indústria Geral | Brasilfevereiro 2023março 2023abril 2023maio 2023junho 2023julho 2023agosto 2023setembro 2023outubro 2023novembro 2023dezembro 2023janeiro 2024-4-3-2-1012março 2023-0,65 %

Fonte: IBGE - Índice de Preços ao Produtor

O setor de alimentos, que aparece entre as principais influências no resultado geral da indústria, apresentou uma queda de 0,74%, após uma série de quatro resultados positivos consecutivos. De acordo com o analista do IBGE, “os menores preços do açúcar, também muito por conta da safra da cana, e dos derivados de soja, commodity que vem apresentando uma produção estável e sem pressões de demanda, são os principais responsáveis pela retração do setor em janeiro”.

A atividade de indústrias extrativas (4,64%) também mostrou variação expressiva, porém positiva. “Assim como ocorreu no mês passado, a elevação nos preços do minério de ferro foi determinante para esse resultado. A alta verificada em indústrias extrativas foi a maior dentre todos os setores analisados, impactando também outras atividades, como a metalurgia, por conta da alta dos produtos siderúrgicos, que utilizam o minério de ferro como principal insumo”, lembra Murilo.

Os preços do setor de perfumaria, sabões e produtos de limpeza, por sua vez, caíram 2,03% em relação ao mês anterior. O acumulado nos últimos 12 meses (-2,14%) é o me-nor já verificado na série histórica da pesquisa para esse indicador, superando a variação de -0,69% observada em 2013. O sabão em pó foi o principal responsável pelo resultado. Já o setor de impressão apresentou uma variação média de 1,79%. Os quatro produtos com maior influência no resultado da atividade tiveram altas, principalmente “impressos p/ fins publicitários ou promocionais” e “livros, brochuras ou impressos sob encomenda”. A leve alta de preços do setor de papel e celulose no segundo semestre de 2023 contribuiu.

Pela perspectiva das grandes categorias econômicas, a variação de preços observada na passagem de dezembro de 2023 para janeiro de 2024 repercutiu da seguinte forma: 0,55% de variação em bens de capital; -0,88% em bens intermediários; e 0,37% em bens de consumo, sendo que a variação observada nos bens de consumo duráveis foi de 0,08%, enquanto nos bens de consumo semiduráveis e não duráveis foi de 0,43%.

Saiba mais sobre o IPP

O IPP acompanha a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, e sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no país. Trata-se de um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.

A pesquisa investiga, em pouco mais de 2.100 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes, definidos segundo as práticas comerciais mais usuais. Cerca de 6 mil preços são coletados mensalmente. As tabelas completas do IPP estão disponíveis no Sidra. A próxima divulgação do IPP, referente a fevereiro, será em 2 de abril.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://thesouth.com.br/.