Sua Página
06/03/2024 às 16h00min - Atualizada em 06/03/2024 às 16h00min

Especialistas avaliam o Open Finance no Brasil: promessa distante ou ilusão?

Lucas Ribeiro, fundador e CEO da ROIT, explica que a rede ainda é incipiente para o setor empresarial e as empresas ainda dependem de sistemas de troca de arquivos, e não de integrações seguras e escaláveis via API

Liliane Scaratti - Engenharia de Comunicação
Lucas Ribeiro, CEO da ROIT Divulgação

O Open Finance – compartilhamento de dados e serviços financeiros entre instituições credenciadas e com consentimento dos consumidores e empresas – ainda esbarra, no Brasil, na infraestrutura bancária. Embora, segundo divulgou recentemente a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), o número de consentimentos de janeiro de 2023 para janeiro de 2024 tenha dobrado, chegando a 42 milhões, os benefícios ainda são tímidos diante do potencial.

É a avaliação dos consultores Lucas Ribeiro, fundador e CEO da ROIT, empresa de inteligência artificial para a gestão contábil, fiscal e financeira das empresas, e de Karen Miura, CFO da ROIT. Para ambos, apesar da evolução tecnológica e de inovações disponíveis no mercado, a rede bancária ainda se utiliza de ferramentas e mecanismos aquém do ideal.

“Enquanto a tecnologia avança a passos largos, a infraestrutura bancária ainda é baseada na Central Nacional de Atualização Bancária (Cnab) e na VAN [Value Added Network, ou “Rede de Valor Agregado”]. Ou seja, apenas na troca de arquivos, e não nas integrações fáceis e seguras via API [interface que permite comunicação entre sistemas e arquivos]. Isso cria um abismo entre o potencial do Open Finance e sua aplicação prática no dia a dia das empresas”, explica o especialista.

Karen, por sua vez, chama a atenção para a falta de transparência das operações que as instituições financeiras mantêm entre elas. "Isso impede que as condições de taxas e de crédito sejam mais favoráveis", pontua.

O cenário é ainda mais complexo quando consideramos a diversidade econômica e a disparidade de acesso à tecnologia no Brasil, ressalta Ribeiro. “Para muitas empresas, especialmente as de menor porte, os custos e desafios técnicos para integrar-se ao ecossistema do Open Finance são proibitivos, tornando a promessa de inclusão uma ilusão distante na automação segura de pagamentos, tanto locais, quanto globais e, principalmente, e a democratização do crédito.”

Entretanto, há luz no fim do túnel. De acordo com o CEO da ROIT, iniciativas e o interesse crescente de fintechs em desenvolver soluções que superem essas barreiras abrem perspectivas para o futuro do Open Finance no Brasil. “A chave para transformar o Open Finance está nas startups inovadoras, dispostas a superarem as barreiras e bloqueios tecnológicos e, especialmente, os modelos de negócios proibitivos e caros das instituições financeiras”.

Karen acrescenta: "O Open Finance representa uma nova era da economia que possibilitará à economia brasileira dar um salto quântico em quesitos como governança. Com executivos e empresas dispostos e abertos à inovação certamente colocarão o Brasil à frente e na mira de investimentos estrangeiros", pondera Karen.

Para Ribeiro, a pergunta que fica é: o Brasil conseguirá superar esses desafios e realizar o potencial transformador do Open Finance? Ou as empresas brasileiras continuarão a ver essa promessa como uma ilusão distante? “À medida que avançamos, fica claro que apenas uma abordagem colaborativa e inovadora poderá desbloquear o verdadeiro potencial do Open Finance para o mercado brasileiro, sem o medo dos grandes bancos perderem mercado”, afirma. O Open Finance no Brasil começou a ser desenvolvido em 2020.

SOBRE A ROIT

Fundada em 2016 como consultoria tributária e contábil, a ROIT se estabeleceu como líder no mercado TAX e TECH em seus 8 anos de atuação. Com foco na transformação digital, a empresa desenvolve soluções tecnológicas inovadoras para simplificar processos complexos. Por meio da hiperautomação e Inteligência Artificial, cria produtos que permitem que as empresas revejam seu passado, enxerguem seu presente e tenham uma nova visão do seu futuro.

Com uma equipe de mais de 150 colaboradores, o crescimento exponencial e os prêmios recebidos, incluindo três Great Place to Work em 2023, destacam a empresa como uma das melhores para se trabalhar no Paraná, no Brasil e na área TECH.

Saiba mais em https://www.roit.com.br/


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://thesouth.com.br/.